quinta-feira, 18 de julho de 2013

Não quero

Não quero crescer, mas também não quero ficar sempre na mesma. Não quero não ter histórias para contar. Não quero ser chata. Não quero que a minha história não se resuma a nada. Não quero que as minhas amigas emigrem. Não quero que a minha marca seja negativa em algumas pessoas. Não quero ter rancor de ninguém. Não quero só pensar em mim. Não ser uma adulta revoltada e magoada. Não quero ser impaciente. Não quero ter vontade de esganar alguém. Não quero ter falta de amor próprio. Não quero comer cenoura cozida. Não quero dias de tempestade e chuva. Não quero fugir às decisões. Não quero ser inculta. Não quero pensar só nos outros, mas também não quero pensar só em mim. Não quero ter medo de ir. Mas também não quero dizer que não tive a coragem de ficar. Não quero apanhar escaldões. Não quero mudar, mas não quero estar como estou. Não quero falar demais. Não quero praia com nevoeiro e/ou vento. Não quero ser recordada como uma interrogação. Não quero deixar nenhum livro a meio. Não quero ser demasiado observadora. Não quero conversas inúteis. Não quero que as calças à boca de sino entrem na moda. Não quero "amizades" falsas nem preocupações dissimuladas. Não quero ter que estacionar em sítios complicados. Não quero discussões. Não quero ilusões. Não quero que as noticias sobre a conjuntura politica sejam sempre iguais - nada de novo e uma grande porcaria. Não quero esperanças. Não quero a realidade. Não quero perceber o que percebo. Não quero ver o que há para ver. Não quero insistir mas também não quero desistir. Não quero não ter memória de coisas boas. Não quero ter memória de coisas más. Não quero cruzar-me com más pessoas. Não quero tornar-me coleccionadora de nada. Não quero discutir. Não quero ter pensamentos negativos. Não quero ter medos. Não quero dias de muita chuva. Não quero ficar farta de pessoas. Não quero ideias/opiniões politicamente correctas. Não quero que o raio das riscas continuem na moda. Não quero ser enganada. Não quero dormir nunca com almofada. Não quero nunca me tornar maníaca das dietas. Não quero que me mostrem o que não são. Não quero comer arroz de favas. Não quero falar e falar e não deixar os outros participar. Não quero ter que viver num apartamento. Não quero ser viciada em tecnologia e afins. Não quero ver pessoas que não gosto em dias maus. Não quero ficar muito tempo sem ver pessoas que gosto. Não quero um dia ter que dizer que fui fraca. Não quero ter apenas isto para contar um dia mais tarde!


Sei o que não quero. Sei que tenho que virar a vida de pernas para o ar ás vezes. Sei que a vida é tudo o que escrevi, tem muitas coisas que não quero e outras que quero. Mas sei que apesar de saber o que não quero... quero muito viver!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Cacatuquem praí :)