quinta-feira, 21 de novembro de 2013

As primaveras no Outono


Já passaram 22 duas primaveras que a Cacatua voa por esses céus, deixando pegadas, acumulando cores, formando arco-íris, aprendendo com as pegadas dos outros para dar novos passos e novas quedas.
A Cacatua nasceu no Outono, onde o frio começa a fazer parte do dia-a-dia, as árvores ficam despidas e as folhas que caiem transformam as ruas num manto colorido de folhas, o céu escurece mais cedo e a lua aparece, os dias tornam-se mais curtos, nas ruas vendem-se castanhas, as bebidas quentes já apetecem e as lareiras acendem-se. A Cacatua nasceu numa estação onde o frio começa a marcar presença, mas onde o calor das pessoas que a amavam não faltou para a aquecer e para a ensinar como é possível com pequenas coisas aquecermos quem por nós passa. Assim, a Cacatua aprendeu desde que nasceu que o frio é fácil de ultrapassar, consegue-se criar formas de o transformar em algo passageiro. Nasceu numa estação onde há mudanças, onde as coisas que já não fazem falta caiem para, mais tarde, dar lugar a novas; onde tudo ganha uma nova cor - o céu mais cinzento, a noite mais escura a contrastar com as estrelas e a lua e as folhas verdes passam a amarelas, vermelhas e castanhas. Uma altura de mudanças, portanto. Por isso, a Cacatua não tem medo de mudanças, ensinaram-na a transformar o frio em calor confortável e a ver a queda das folhas como algo positivo, pois estas caiem conseguem colorir o chão e as árvores poderão renascer. 
Foi ensinada a voar com um sorriso, determinação para se adaptar ao frio e enfrentar ventos sem nunca desistir, porque lhe mostraram que quando caísse alguém estaria lá para a agarrar e voltar a ensinar a voar. sem medos. Com persistência. Idealizando e sonhando sempre. Sempre.

Há uns dias, eu fiz 22 anos. Estava um dia lindo de sol de Outono, estava frio. Afinal... era Outono. Mas, se esta é uma estação de mudanças, há coisas que nunca vão mudar. A importância do calor daqueles que eu amo será sempre essencial e será sempre necessário para me aquecer e partilhar comigo todos os dias importantes da minha vida, deste meu voo... porque sem eles eu não deixaria qualquer pegada. Simplesmente não teria aprendido a voar!

Poderia ter nascido em qualquer estação e aprender tantas outras coisas... Mas cheguei com o vento e o frio e cresci com calor e serenidade. E sempre ouvi dizer que para aprendermos, nada é melhor do que ter o conhecimento de mais que uma realidade, e dentro dum contraste, foi-me ensinado o equilíbrio para voar com amor. 


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Amiga! Que me guia e come chocolate comigo

Minha Estrelata

Gosto tanto de ti! Mas tanto!
Hoje foi bom reencontrar-te... foi bom rir das desgraças. Foi bom ouvir-te, perceber que nada muda com o tempo que estamos afastadas, que a cumplicidade permanece e que posso ser eu quando estou contigo. Foi bom entender que és e serás alguém sempre importante, que me compreende e me abre a cabeça. Que me diz "sei lá... queria que tivesses fogo de artifício" (agora esta é a nossa cena privada para não ser só "aquele bocadinho").
Ver o quanto tudo mudou em tão pouco tempo. Crescemos tanto, já viste? Eu mudei tudo, coloquei-me em primeiro lugar, e tu tanto me dizias isso. Entrei em Mestrado, rio facilmente e aceito o que tenho e não tenho da melhor forma, mas sempre com um sorriso. Não deixei de ser quem era, a idealista e a menina certinha, apenas coloquei de parte o que quer ir embora... sei que me entendes. Se calhar não da maneira mais correcta, mas da maneira mais rápida e inconsciente e não sentimental. Não me arrependo... Até acho divertido uma vez na vida não ter sido racional e sentimental. Tu acabaste o curso, estás mais serena e com projectos. Continuas boa ouvinte.
Tenho saudades de quando vivíamos juntas, das músicas, das conversas, das cusquices, de eu não me calar quando querias dormir, do teu bacalhau à brás (sem estar cheio de óleo), das nossas danças ridículas, das gargalhadas, de ouvirmos os vizinhos e inventarmos histórias, de combinarmos o jantar e falarmos do nosso dia, de aguentarmos uma gralha e depois um zombie, e acima de tudo, de te ter perto para me ouvires.

Eu viajei para longe dos problemas... pensava eu! E nós rimos disso. A ironia da vida. E o que nos rimos disso, porque não há fogo de artificio, flores ou coraçõezinhos. Mas é bom achares que os mereço, mas não te preocupes nós colhemos os frutos do que semeamos, apenas estou com um problema de fotossíntese. Ando desde que me lembro a semear e a pensar e a agir com amor, algum dia receberei de volta alguma coisa que seja o fruto disso. Ainda me rio da conversa que tivemos, da tua cara a ouvires tudo como se fosse uma anedota. E no fundo é, onde é que eu me fui meter? Como saio disto agora? No fundo não, acho que está bem à superfície. Uma comédia, uma novela mexicana, um drama, um romance e já foi também um filme de terror. A minha vida já pertenceu a todos os géneros, e eu por vezes deixei de ser a actriz principal porque dei protagonismo a situações (não pessoas, porque essas têm o mesmo protagonismo) que não devia e agora sou eu a personagem caricata, verdadeira e principal (e lembro agora a música da Adelaide Ferreira - não digo que é uma comédia? só me lembro de coisas estúpidas). Hoje prevalece a comédia e o romance porque tenho sentido de humor e me rio com as situações, com amor. Sempre com amor. Apenas quero que assistas e vivas sempre de perto a este filme que é a minha vida. Porque tu tens nela um papel muito importante. Tu fazes parte do filme!

Tu não tarda viajas para longe também, mas quero que saibas que vou estar aqui para um bananinhas, para milka de chocolate de leite, para conversas e conversas. Para onde quer que vás, eu vou estar perto. Ou prometo que me vou esforçar para estar perto da melhor forma que conseguir. Não deixo o que é importante para mim e sou persistente, lembraste? Como dizias que isso podia ser mau às vezes, agora vou provar-te que é bom quando é feito com o coração.
Adoro-te pessoa!

Com carinho,
Chocolata

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Ou são pessoas simpáticas... ou são pessoas com uma grande visão

Uma pessoa tem pequenas coisas, que por vezes não damos atenção e que até nos fariam bem se lhes prestássemos a devida atenção porque até nos iriam fazer bem. Pois bem, desde a última semana ate hoje recebi alguns elogios que me fizeram sorrir. E não tem a ver só com estética.

Primeiro, um amigo da minha colega de casa. Esteve cá em casa num final de tarde e quando saiu, eu disse:
- C. o N é mesmo giro.
- Ele disse o mesmo de ti, disse que tinha uma colega de casa muito gira.
- Ui, está a ver mal. E eu de calças de pijama super largas e casaco de fato-de-treino e pantufas... que linda. O que tinha direito era o cabelo. Não me ia achar gira.
- Então? Se mesmo assim ele disse que eras gira, é porque és mesmo bonita, porque ficas bonita de qualquer maneira.

Soube mesmo bem, confesso.

Outra situação, foi hoje quando mostrei um presente a uma amiga minha, para eu oferecer a outra amiga. Era uma caixa com um adereço em cima.
Digo eu, enquanto mostro:
- Olha é mesmo gira, gostei deste pormenor. Não tem a ver, mas eu gostei.
- Aposto que vais arranjar qualquer coisinha para isso ter significado para ela.
- Claro que sim.
- Óbvio... Ou não fosses tu a (meu nome completo) que atribui sempre significado às mais pequenas coisas.

Conhece-me tão bem. Foi bom de ouvir.

Numa das minhas sessões de exercício e da minha amiga, na faculdade de desporto, uma colega nossa da faculdade juntou-se a nós. E estávamos nós, mulheres que somos, a falar de peso e ela disse:
- Tu és magra, és alta, tens mesmo as medidas de modelo.
- Eu nunca gostei de ser alta.
- Diz isso a uma agência de modelos.

Continuo sem gostar de ser alta. Mas, que é bom ouvir isto... lá isso é!

Ainda hoje, um amigo meu sem querer entendeu mal uma situação, de como eu não tivesse amigos na cidade de onde sou natural e por isso só iria ter amigos da cidade de estudante na minha festa de aniversário. E depois ele disse sem eu ter explicado:
- Tens um excelente carácter, por isso nem fazia nexo o que eu disse.

Simpático ou não, foi um bom elogio.

E são estas pequenas coisas que mal nos apercebemos que acontecem. E hoje em reflexão, percebi que tenho das melhores pessoas à minha volta.

Hoje foi um excelente dia, amanhã poderia continuar assim... E vai continuar.
Mas faltam coisas e o meu aniversário aproxima-se e como pessoa que dá significado às pequenas coisas... sei que vão faltar pequenas grandes coisas. Mas, tenho os melhores perto de mim e por isso muitos sorrisos e gargalhadas nesse dia não vão faltar! E também, há-de haver luar nessa noite. Há-de haver lua nessa noite a brilhar e a olhar para mim. Por isso, de certa forma, não vai faltar nada, vai estar perto e presente. Na lua e em pensamento.

E já divaguei...

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Contrastes

Conversa entre duas amigas que assisti

A.F - Então quando é que te vejo cá?
C.- Esta semana. Venho ao batismo.
A.F - Acho bem. E ficas para o jantar?
C. - Acho que sim, esta semana posso.
A.F- Acho muito bem. Vamos todas então.
C. - Está tudo bem contigo? Estás com um sorriso... É com o F. de não é?
A.F - ahahahahah esse acabou comigo, já tinha outra. Mas sim, estou bem.
C. - Outra!? voltou para a mesma outra vez?
A.F - Ná! Já é outra. Agora é a número 2. Eu devo ser a número 10 para aí.
C. - Não, eu acho que tu és a número 1. Mas ele é que pronto... anda na parvoíce.
A.F - Pois, não sei. É o que me dizem.
C. Mas não é assim, isso magoa.

Continuou com o sorriso.

Cena do filme Last Vegas

Sam com uma certa idade, recusa envolver-se sexualmente com uma jovem, quando tinha "carta branca" da esposa uma vez que ia para Las Vegas para a despedida de solteiro. A esposa ofereceu-lhe um comprimido azul e um preservativo.
Já na suite ele afasta a jovem.
jovem - Não queres ter sexo comigo?
Sam- Quero. Seria maravilhoso ter sexo contigo. Mas todas as coisas maravilhosas que me acontecem tenho que contar à minha esposa. Se eu não lhe puder contar as coisas maravilhosas que fiz à minha mulher... deixam de ser maravilhosas.

Duas histórias no mesmo dia. Uma verídica, outra fictícia. Opostas. Na primeira, a facilidade em se desprender e usar as pessoas e brincar às casinhas. Na outra, pensar com o coração. O valor da partilha do que de bom acontece, pois torna tudo mais maravilhoso. Tornar o outro numa prioridade, não apenas por respeito, porque nem era esse o caso, mas por amor e cumplicidade. Pensar no que se poderia perder numa vida, em vez do que ganhar num momento.
As idades nas duas histórias são diferentes, talvez sejam um caso de maturidade. Ou então, há coisas que são pura ficção e nunca acontecem.

Mas como li algures hoje:
"Maturidade é muito mais do que idade, é ter humildade de admitir erros, saber pedir perdão e perdoar"


"Here comes a night... It brings me back the moon"



Agarrei a lua!
Por momentos reencontramo-nos.
Imaginei-te ali, a voltarmos para casa numa noite fria junto a mim e a rir e sorrir com olhares cumplices idiotas. Lembrei-me dos narizes frios e as minhas mãos geladas.
Naquele bocadinho que cabe nas minhas mãos e se chama lua, e me lembrou outro bocadinho
aquele que se inicia nas nossas mãos e não acaba.
Vi a lua e por momentos... agarrei-te a ti. Naquele bocadinho que é nosso!
Por magia, a noite (contigo no pensamento) levou-me de volta à lua!

A Cacatua voa também durante a noite, quando assim o deseja!



I look at the sun 
it's already gone
the blue sky is turning black
I'm waiting for her
with my cigar box
it seems to be so different
it's all gone so quiet
(...)
I just care about the song
Uh, uh, uh, I like the sunset
It brings me back the moon.
(...)
When she arrives
I will sing all the songs that I know 
until now it has been
this way

Coisinhas que eu gosto

Jantar porcarias, como um kebab com molho picante!
Ver  um bom filme, com um balde de pipocas e rir-me até não poder mais. Last Vegas é espetacular.
Voltar para casa a rir ainda mais e a fazer figuras na rua.
Chegar a casa e ouvir boa música!

E tudo isto, numa boa companhia! Minha B. mai liiiinda :)
Adoro noites assim. Fazem-me feliz!!

Vejam. Aconselho muito a quem quiser dar umas boas gargalhadas :)



terça-feira, 5 de novembro de 2013

Atrás do vento, um outro vento

E, de repente, como que pela magia da lua deparo-me com músicas e essencialmente letras que dizem tudo, transmitem tudo e dão sentido ao que vi, vejo e sei que vou ver!
Assim não custa tanto. O caminho fica mais fácil, mesmo que não estejas a repousar ao é de mim e que eu tenha que enfrentar um vento e outro vento! Porque luto pela "utopia", que não é utopia porque é possível porque" eu quero apenas crer, no que eu posso ser". E eu vou enfrentar ventos, tempestades e tufões! Porque "quem como eu não desistiu" nunca vai esquecer o que é verdadeiro e é nada mais nada menos do que aquele bocadinho.




Todos os dias, em cada paz
Nasce um fogo que a desfaz
Atrás do vento, um outro vento
Semeia a dor e o lamento

Ao pé de mim, vem repousar
Segurar o sonho que balança
Ao pé de mim, tenta sorrir
Ensaiar um grito de esperança

Parece o mundo, maior que a vida
E sentes que, ficas perdida
Por ti eu espero, ao pé de mim
Ao pé de mim

Quem como eu, não desistiu
De esquecer o que já viu
Ainda lembro, a utopia
Por ela luto em cada dia

Ao pé de mim, vem repousar
Segurar o sonho que balança
Ao pé de mim, tenta sorrir
Ensaiar um grito de esperança

Eu quero apenas crer, no que eu posso ser
Por ti eu espero, ao pé de mim

domingo, 3 de novembro de 2013

Universo conspira e nós aprendemos! E sobrevivemos

" Uma hora ou outra o destino se ajeita, as coisas se acertam, o passado é esquecido, as dores cicatrizam. Quem tem que ficar fica, o que é verdadeiro permanece, e o que não é some. Não tenha pressa, não guarde mágoas, não queira pouco... sempre queira o melhor. Espere na sua. Aprenda a ser paciente. Aprenda a ouvir uma boa música quando a tristeza bater. Aprenda a ignorar o que te faz mal. Aprenda sobretudo a ter fé. Fé de que, por mais difícil que seja, o universo sempre irá conspirar a seu favor" Luiz Moreno


E esta é a música que eu vou ouvir.
De repente esta frase diz tanto, é tão importante. Mas eu preciso de respostas, eu tenho pressa... o quê que eu tenho que ignorar se o que me fez mal me faz bem e no fundo foi porque eu também fiz mal? Se é verdadeiro permanece, mas e quando até pode ir mas volta sempre, deixa de ser verdadeiro uma vez que nunca chegou a partir mesmo e permanece? É verdadeiro?

Se calhar por ter pressa e não ter paciência, o Universo continua a conspirar para que eu aprenda a sê-lo. No fundo conspira a meu favor.

Universo querido, eu vou aprender e acreditar em ti, ok? Mas por favorzinho vai lá ter umas aulas de pedagogia... é que à base da pancada isto já não vai lá. Ainda me vou arrepender tanto de dizer isto, e levar mais pancada que é para aprender a ser paciente com a pancada que levo.
Ai Universo, Universo!

Guarda isto... fixa!

Nos piores momentos, em qualquer momento. Naqueles que precisares dum abraço e de conforto e não puderes olhar a lua, lembra-te que serei eu que te vou "salvar" com aquele bocadinho. Vou dar-to como sempre.. e aí tu vais te sentir melhor, a lua sobre nós, o bocadinho em nós e para nós. E... nós uma para o outro!
E isto chega por causa desta música, que faz lembrar e sentir! AAB


Backbeat, the word was on the street
That the fire in your heart is out
I'm sure you've heard it all before
But you never really had a doubt
I don't believe that anybody
Feels the way I do about you now

And all the roads we have to walk are winding
And all the lights that lead us there are blinding
There are many things that I would like to say to you
But I don't know how

Because maybe
You're gonna be the one that saves me
And after all
You're my wonderwall

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Verdadeiro e genuíno



Quando se pensa que demos um passo em frente, vem o coração e diz:

"aahahah!! Querias... Olha o tem passado, olha o que construíste, olha o que fazias e o quanto isso te fazia feliz. Feliz com pouco sabes? Lembraste do milka? E da lua? Dos planos de viagens que queriam fazer? Dos acampamentos? dos filmes? E as músicas? E o gosto pelo cinema e filmes e séries? Achas mesmo que isso se apaga assim? Ó minha filha, isto que tiveste e construíste chama-se cumplicidade, amor entre pessoas que se completam e isso... isso é verdadeiro. E como bem sabes o que é verdadeiro nunca se vai. Tiveste piada... Esquece é a ideia de seguires em frente e esqueceres. O amor verdadeiro, aquele que dói e dá saudades, é para sempre. E sabes? Até podia dizer que lamento. Mas não lamento, porque dói, mas é verdadeiro e ainda te vai fazer muito feliz e nunca se vai apagar. Continua a olhar para a lua..."