quinta-feira, 21 de novembro de 2013

As primaveras no Outono


Já passaram 22 duas primaveras que a Cacatua voa por esses céus, deixando pegadas, acumulando cores, formando arco-íris, aprendendo com as pegadas dos outros para dar novos passos e novas quedas.
A Cacatua nasceu no Outono, onde o frio começa a fazer parte do dia-a-dia, as árvores ficam despidas e as folhas que caiem transformam as ruas num manto colorido de folhas, o céu escurece mais cedo e a lua aparece, os dias tornam-se mais curtos, nas ruas vendem-se castanhas, as bebidas quentes já apetecem e as lareiras acendem-se. A Cacatua nasceu numa estação onde o frio começa a marcar presença, mas onde o calor das pessoas que a amavam não faltou para a aquecer e para a ensinar como é possível com pequenas coisas aquecermos quem por nós passa. Assim, a Cacatua aprendeu desde que nasceu que o frio é fácil de ultrapassar, consegue-se criar formas de o transformar em algo passageiro. Nasceu numa estação onde há mudanças, onde as coisas que já não fazem falta caiem para, mais tarde, dar lugar a novas; onde tudo ganha uma nova cor - o céu mais cinzento, a noite mais escura a contrastar com as estrelas e a lua e as folhas verdes passam a amarelas, vermelhas e castanhas. Uma altura de mudanças, portanto. Por isso, a Cacatua não tem medo de mudanças, ensinaram-na a transformar o frio em calor confortável e a ver a queda das folhas como algo positivo, pois estas caiem conseguem colorir o chão e as árvores poderão renascer. 
Foi ensinada a voar com um sorriso, determinação para se adaptar ao frio e enfrentar ventos sem nunca desistir, porque lhe mostraram que quando caísse alguém estaria lá para a agarrar e voltar a ensinar a voar. sem medos. Com persistência. Idealizando e sonhando sempre. Sempre.

Há uns dias, eu fiz 22 anos. Estava um dia lindo de sol de Outono, estava frio. Afinal... era Outono. Mas, se esta é uma estação de mudanças, há coisas que nunca vão mudar. A importância do calor daqueles que eu amo será sempre essencial e será sempre necessário para me aquecer e partilhar comigo todos os dias importantes da minha vida, deste meu voo... porque sem eles eu não deixaria qualquer pegada. Simplesmente não teria aprendido a voar!

Poderia ter nascido em qualquer estação e aprender tantas outras coisas... Mas cheguei com o vento e o frio e cresci com calor e serenidade. E sempre ouvi dizer que para aprendermos, nada é melhor do que ter o conhecimento de mais que uma realidade, e dentro dum contraste, foi-me ensinado o equilíbrio para voar com amor. 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Cacatuquem praí :)