quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

A aventura que iniciaste

A esta hora estás a pisar uma espaço novo, um país que não é o teu. Hoje, começaste uma nova aventura realmente, caminhas num novo caminho que te tornará mais forte... à força. Disse que hoje começaste realmente, porque a verdade é que já começou há algum tempo, quando soubeste que ias, de facto, partir para longe. Longe de onde cresceste, dos teus amigos, da tua família, do teu namorado, da tua casa, da tua terrinha onde não chega a net decentemente.

Sabes? estou a escrever e quero dizer tanto, o quanto gosto de ti ou o quanto estou revoltada com o facto de não teres as oportunidades que merecias.
Bem, acho que só senti que ias para a terra de nossa majestade, quando na terça me despedi de ti, quando te dei um tímido abraço porque ambas não queríamos que aquilo parecesse o que era verdadeiramente - uma despedida. Tinha saudades tuas antes de ires, sabes? Sabes sim! Mandei-te mais mensagens do que no resto do ano quase. Não sei porquê, para ter a certeza que te mostraria que estaria sempre aqui, para te dar força ou para... sim, para te mostrar o quanto gosto de ti.

A puta da vida é injusta e eu estou mais revoltada do que nunca com esta treta do desemprego que a toda hora nos aparece à frente (olha vais deixar de ouvir nas noticias isto - boaaa). Vivi contigo durante dois anos. Dois anos que vi o teu esforço, o teu cansaço, a tua dedicação verdadeira e a tua paixão por esta profissão que foi crescendo. Assisti como estudavas quando chegavas do estágio cansada, vi como te esforçavas para estares com a tua família e ias para a terrinha nem que fosse por algumas horas, nem que fosse dormir apenas em casa, e no dia seguinte às 6 da manhã lá vinhas tu para tratares dos doentes que dizias "teus". Falavas com entusiasmos de algumas coisas, com pena de outras e com revolta de outras. Sem esquecer a parte cómica com que contavas algumas situações caricatas. Isto, só demonstra que nada te era indiferente, que apesar do teu lado profissional tinhas outro lado que prevalecia e que eu acho essencial a um enfermeiro - o lado humano. E é esta entrega e esforço que fizeste durante 4 anos, pelo curso e pela tua família. O que recebeste em troca? Uma viagem, com um contrato permanente num país onde se fala outra língua, e que dão valor ao que cá se faz. Uma merda!! Merecias mais, merecias ter valor, aqui!! Onde pertences. Devia ser uma escolha emigrares e não uma obrigação camuflada. Mas não adianta eu estar com este discurso, não vai mudar nada e a ti não te vai dar força. E quero que tenhas sempre força e vontade de lutar.

Sempre admirei a tua força, a tua determinação e o teu perfeccionismo. Sempre deste o teu melhor, invejava-te porque sou extremamente desorganizada e só me empenho quando não tenho outra opção. Mas tu não!! Por isso, digo e disse-te sempre que estou muito orgulhosa de ti! Admiro a tua coragem, a tua força. podias ter esperado mais algum tempo, afinal acabaste o curso em Julho. Mas não, o teu jeito de ser, a tua força, a tua vontade de não estares parada levou-te para aí, para onde estás agora. E repito: AGORA!

Escrevi que eras para mim a definição de amizade, não menti, não foi para ser bonito. Apenas me lembrei da nossa história juntas, do que penso sobre ti, do que vivemos juntas, que importância dou ao que me dizes. E acredita em mim, és a única a quem dou realmente ouvidos duma forma que não dou a mais ninguém. Sou teimosa, e por vezes o meu orgulho não permite aceitar algumas coisas, mas a ti eu dou ouvidos, tenho humildade e respeito. Achava que aquilo da melhor amiga era um titulo bonitinho e até fica engraçado dizer que temos uma melhor amiga como se tivesse 12 anos e não 22, mas não. É aquilo que és para mim e se tem mantido independentemente da distância, dos caminhos diferentes, das diminutas mensagens. Ouço os teus conselhos com respeito e os teus sermões atentamente, porque me conheces. Posso dizer que me conheces, o que tenho de bom e o raio do meu mau feitio explosivo. E o bom disso é que mesmo assim continuaste sempre do meu lado, apoiaste-me à tua maneira explicando sempre que te preocupavas e por isso às vezes podias parecer fria. E a nossa histórias... desde os recados para o L. no 7º ano, as cenas na webcam nas férias, as viagens de autocarro e o caminho para casa no secundário e as mensagens, as viagens de comboio na universidade e os dois anos que vivemos juntas com o milka(começou no básico), as idas ao bananinhas ou combinar o que íamos jantar. Acho que tenho saudades de quando me mandavas embora da cozinha e me mandavas calar quando querias dormir. Lembro-me de quando riamos no quarto e cochichávamos, de quando fazias o teu riso maquiavélico ou as nossas danças estúpidas com músicas de baixa qualidade musical... Poderia continuar. E, todos estes anos, mais longe ao mais perto foste-te mantendo sempre perto, sempre a par da minha vida. Sempre. Nunca, nunca me vou esquecer do que acompanhaste numa determinada altura da minha vida, do teu apoio incondicional. Acho que não era um esforço que fazíamos, mas algo natural. Fazes parte da minha vida e quer queiras ou não... eu faço da tua! Se isto não é a definição verdadeira de amizade, então não sei o que é. Se isto não é seres a minha melhor amiga, então nunca tive uma porque foste a única a quem chamei assim (com a mínima maturidade) e que se mantém desde há anos. E digo já, vou me esforçar para continuar a fazer parte da tua vida. De mim não te livras!

Agora vamos pensar positivo, vais exercer a tua profissão aquela para a qual trabalhaste e estudaste. Vais conhecer uma nova cultura, melhorar a fluência no inglês, aprofundar os conhecimentos do skype e vais crescer enquanto pessoa e profissional. E... (sim há mais coisas positivas) HÁ VIAGEM LOW COST! Yupiii!!!

Quero que te mantenhas firme, que lutes sempre e que nunca te esqueças duma coisa - longe mas sempre perto! Orgulho-me imenso de ti. E quero para ti as maiores felicidades e um sorriso sempre (que for possível) no rosto. E no que depender de mim, estarei aqui para te fazer lacrimejar com as minhas paneleirices e fazer sorrir com as minhas palermices.

Não sei, acho que ainda tenho tanto para dizer. Não queria parar de escrever. Como sabes, não sou tão directa como tu, sempre disseste que eu escrevo muito e dou a volta. mas há coisas que não dá para dar a volta... Gosto imenso de ti e vais fazer-me falta!

Da sempre tua:
Chocolata!

1 comentário:

  1. Olá,

    Vim aqui para ser mais fácil... Podes enviar-me mensagem para o facebook?

    ResponderEliminar

Cacatuquem praí :)