domingo, 3 de janeiro de 2016

2015

Em 2015...
Nasceu o meu sobrinho. Passei a primeira noite no hospital com ele. Voltei à minha cidade natal e deixei a de estudante. Comecei  meu estágio curricular. Aprendi imenso com ele. Desejei que não terminasse. Tentei decorar a paisagem que via do 4º andar do hospital a cada gole de café. Superei-me enquanto futura psicóloga. Tive o meu primeiro 18 na faculdade, no estágio. Tive prazer em me levantar cedo e ter consultas para dar ou observar. Fui feliz num hospital. Não me quis despedir dele. Senti-me grata. Orgulhei os meus pais. Acompanhei familiares ao hospital, e por isso também lá fui infeliz. Queimei as fitas. Usei uma cartola e bengala. Fui extremamente feliz no cortejo. Parti o tacão do sapato do traje ao fim de 5 anos, no último dia em que o usaria. Ri muito. Tive saudades da minha cidade de estudante e voltei sempre que possível. Terminei o curso. Recebi amigas em casa e diverti-me cm isso. Chateei-me com amigas de infância e senti-me injustiçada. Fiz as pazes. Recebi presentes inesperados. de forma inesperada - um na porta e outro debaixo do bolo de aniversário. Andei de avião pela primeira vez. Fiz férias a dois, duas vezes. Comi imenso queijo. Tentei captar com todos os sentidos os Açores. Provei a tripa de ovos moles de Aveiro. Apanhei uma bebedeira e dancei desalmadamente. Pedi a uma amiga que não fosse embora. Fiz declarações sem fim de amizade e de amor. Sai mais à noite. Apaixonei-me. Reaproximei-me de amizades mais distantes. Fiz novos amigos. Trabalhei mais. Comprei um computador com o meu dinheiro. Desiludi-me com a tese. Desiludi-me com professores. Cumpri prazos. Fiz tudo na última. Não me esforcei. Esforcei-me. Emocionei-me com os meus agradecimentos. Senti-me triste pela ausência do meu irmão. Fiquei feliz pela presença de todos os outros. Tive um almoço de finalista. Estive no hospital a soro pela primeira vez. Recebi a primeira carta endereçada a mim começada por Dra. e foi estranho, mas soube bem o perceber que tinha terminado. Comecei a fazer unhas de verniz gel. Perdi um anel com significado. Chorei imenso por isso. Percebi que algo que nos é dado com sacrifício e por alguém tão importante ganha uma importância assustadora. Chorei pelos atentados de Paris, pelo medo de alguém importante ficar impedido de estar num momento igualmente importante. Pedi desculpa. Tive a noticia que teria outro sobrinho. Evolvi-me num projeto no hospital, com uma população que desde o inicio do curso não gostava de estudar. Fui surpreendida e passei a gostar. Comecei a praticar exercício. Odiei cada despedida. Comi tudo o que gosto. Perdi a conta às francesinhas que comi. Namorei muito. Chateei-me muito. Duvidei. Apaixonei-me todos os dias. Escolhi-o todos os dias. Senti inveja. Senti ciume. Senti-me incompreendida. Escrevi menos do que gostaria. Vi que tenho uma família que me motiva e é a minha inspiração. Vi o meu sobrinho imitar-me em coisas parvas. E fui feliz com isso. Desiludi-me. Surpreendi-me. Senti-me inútil. Odiei ser desempregada. Chorei de saudades por alguém que não o sabe. Fui ao cinema menos do que gostaria. Fingi não ver alguém. Não me arrependi. Cozinhei muito bem. Conheci-me. reencontrei-me. Percebi que sou alguém que aprecia detalhes. E sou alguém de pessoas, das minhas pessoas. Amei-as em todos os momentos!
Fui feliz!